Interatividade
 
Infográfico
das viagens

Brasil | julho de 2013

O papa veio ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, e também passou um dia em Aparecida, SP. Em uma semana, Francisco encorajou a juventude do mundo inteiro a não se acomodar e a ser protagonista da sociedade. Levou à praia de Copacabana 3,7 milhões de pessoas.

México | fevereiro de 2016

No México, Francisco visitou uma prisão e rezou pelos imigrantes na fronteira com os Estados Unidos.

Paraguai | julho de 2015

No país vizinho, o papa pediu que a Igreja seja uma casa de hospitalidade. Francisco disse que em uma casa onde alguém se sente bem-vindo, muitas feridas e desespero podem ser curados.

Ilha de Lampedusa – sul da Itália | julho de 2013

Em um dos lugares-símbolo da crise dos migrantes e refugiados, que passam por travessias arriscada pelo Mediterrâneo, Francisco transformou a visita em um dos símbolos do pontificado, que ressalta a ida às “periferias existenciais” e a promoção da “cultura do encontro”.

Coreia do Sul | agosto de 2014

Na primeira viagem à Ásia, Francisco fez um apelo para que as duas Coreias superem as diferenças e interrompam o uso de forças. O papa insistiu que a paz só pode ser alcançada com o diálogo e o perdão.

Israel, Jordânia e Palestina | maio de 2014

Na primeira viagem à Ásia, Francisco fez um apelo para que as duas Coreias superem as diferenças e interrompam o uso de forças. O papa insistiu que a paz só pode ser alcançada com o diálogo e o perdão.

Albânia | setembro de 2014

Em apenas um dia no país, Francisco denunciou o uso da religião como pretexto para justificar a violência. "Que ninguém pense que pode proteger-se em Deus quando projeta e realiza atos de violência e abusos. Que ninguém use a religião como pretexto para as próprias ações contrárias à dignidade do homem e seus direitos fundamentais".

França | setembro de 2014

Em discurso ao parlamento europeu, o papa convidou a uma construção coletiva não em torno da economia, mas da pessoa humana. Francisco disse que chegou a hora da Europa abandonar a ideia de medo e fechamento em si mesma, e criar um continente aberto aos valores culturais, humanos e de fé.

Turquia | novembro de 2014

Francisco se encontrou com o patriarca de Constantinopla, Bartolomeu I, para uma oração ecumênica. Em discursos, falou da esperança em poder caminhar juntos.

Sri Lanka e Filipinas | janeiro de 2015

Em Manila, Francisco celebrou uma Missa para 6 milhões de pessoas – o maior público da história das viagens dos papas.

Bósnia-Herzegovina | junho de 2015

Em Sarajevo, Francisco falou de paz. Citou que a humanidade passa por uma terceira guerra mundial “travada em pedaços”.

Bolívia | julho de 2015

Em um discurso histórico, Francisco pediu perdão pelos erros cometidos pela Igreja no passado. O papa pediu que a Igreja “se ajoelhe diante de Deus e implore o perdão para os pecados passados e presentes dos seus filhos”.

Equador | julho de 2015

No Equador, Francisco disse que a América Latina tem uma dívida com os pobres. O papa pediu que as realizações alcançadas com o progresso possam garantir um futuro melhor para todos, especialmente os mais vulneráveis.

Cuba | setembro de 2015

Em Cuba, Francisco se encontra com o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill. O encontro foi o primeiro entre os dois líderes cristãos desde a separação, no ano de 1054. A viagem também foi fundamental para a reaproximação entre Cuba e Estados Unidos.

Estados Unidos | setembro de 2015

Em uma visita histórica, Francisco falou de imigração, mudanças climáticas e pedofilia. Teve um encontro com vítimas de abusos cometidos por membros do clero e educadores.

Quênia, Uganda e República Centro-Africana | novembro de 2015

Em países marcados por guerras e conflitos religiosos, Francisco abriu a Porta Santa do Jubileu da Misericórdia na Catedral de Bangui, na República Centro-Africana, antes de abrir a Porta Santa da Basílica de São Pedro, no Vaticano.

Grécia | abril de 2016

Ao visitar a linha de frente da crise dos refugiados, Francisco levou consigo três famílias de refugiados sírios no avião de volta para Roma. “Vocês não estão sós”, disse o papa.

Armênia | junho de 2016

Em silêncio, Francisco rezou no Memorial do Genocídio armênio de Tzitzernakaberd. No livro de visitas, o papa escreveu: "Que Deus proteja a memória do povo armênio. A memória não deve ser suprimida nem esquecida. A memória é fonte de paz e de futuro".

Polônia | julho de 2016

Na Jornada Mundial da Juventude, Francisco incluiu termos da internet e das redes sociais no sermão. “Façam download de coração bom”.

Geórgia e Azerbaijão | setembro e outubro de 2016

Em uma região com minoria católica, Francisco pediu abertura aos ortodoxos e coexistência entre os povos e Estados da região.

Suécia | outubro e novembro de 2016

Francisco participa das celebrações pelos 500 anos da reforma protestante. “Começamos o caminho da reconciliação”, disse o papa.

Egito | abril de 2017

Em encontro com líderes muçulmanos, Francisco voltou a condenar a violência em nome de Deus. Em uma conferência, alertou contra a instrumentalização da religião por parte do poder.

Portugal | maio de 2017

Na celebração do centenário das aparições da Virgem Maria em Fátima, Francisco declara santas duas das crianças videntes.

Colômbia | setembro de 2017

Francisco viaja à Colômbia para encorajar o processo de paz que encerrou a guerra entre os governos e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Residencial  Parati

Brasil | julho de 2013

O papa veio ao Brasil para a Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, e também passou um dia em Aparecida, SP. Em uma semana, Francisco encorajou a juventude do mundo inteiro a não se acomodar e a ser protagonista da sociedade. Levou à praia de Copacabana 3,7 milhões de pessoas.

México | fevereiro de 2016

No México, Francisco visitou uma prisão e rezou pelos imigrantes na fronteira com os Estados Unidos.

Paraguai | julho de 2015

No país vizinho, o papa pediu que a Igreja seja uma casa de hospitalidade. Francisco disse que em uma casa onde alguém se sente bem-vindo, muitas feridas e desespero podem ser curados.

Ilha de Lampedusa – sul da Itália | julho de 2013

Em um dos lugares-símbolo da crise dos migrantes e refugiados, que passam por travessias arriscada pelo Mediterrâneo, Francisco transformou a visita em um dos símbolos do pontificado, que ressalta a ida às “periferias existenciais” e a promoção da “cultura do encontro”.

Coreia do Sul | agosto de 2014

Na primeira viagem à Ásia, Francisco fez um apelo para que as duas Coreias superem as diferenças e interrompam o uso de forças. O papa insistiu que a paz só pode ser alcançada com o diálogo e o perdão.

Israel, Jordânia e Palestina | maio de 2014

Na primeira viagem à Ásia, Francisco fez um apelo para que as duas Coreias superem as diferenças e interrompam o uso de forças. O papa insistiu que a paz só pode ser alcançada com o diálogo e o perdão.

Albânia | setembro de 2014

Em apenas um dia no país, Francisco denunciou o uso da religião como pretexto para justificar a violência. "Que ninguém pense que pode proteger-se em Deus quando projeta e realiza atos de violência e abusos. Que ninguém use a religião como pretexto para as próprias ações contrárias à dignidade do homem e seus direitos fundamentais".

França | setembro de 2014

Em discurso ao parlamento europeu, o papa convidou a uma construção coletiva não em torno da economia, mas da pessoa humana. Francisco disse que chegou a hora da Europa abandonar a ideia de medo e fechamento em si mesma, e criar um continente aberto aos valores culturais, humanos e de fé.

Turquia | novembro de 2014

Francisco se encontrou com o patriarca de Constantinopla, Bartolomeu I, para uma oração ecumênica. Em discursos, falou da esperança em poder caminhar juntos.

Sri Lanka e Filipinas | janeiro de 2015

Em Manila, Francisco celebrou uma Missa para 6 milhões de pessoas – o maior público da história das viagens dos papas.

Bósnia-Herzegovina | junho de 2015

Em Sarajevo, Francisco falou de paz. Citou que a humanidade passa por uma terceira guerra mundial “travada em pedaços”.

Bolívia | julho de 2015

Em um discurso histórico, Francisco pediu perdão pelos erros cometidos pela Igreja no passado. O papa pediu que a Igreja “se ajoelhe diante de Deus e implore o perdão para os pecados passados e presentes dos seus filhos”.

Equador | julho de 2015

No Equador, Francisco disse que a América Latina tem uma dívida com os pobres. O papa pediu que as realizações alcançadas com o progresso possam garantir um futuro melhor para todos, especialmente os mais vulneráveis.

Cuba | setembro de 2015

Em Cuba, Francisco se encontra com o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill. O encontro foi o primeiro entre os dois líderes cristãos desde a separação, no ano de 1054. A viagem também foi fundamental para a reaproximação entre Cuba e Estados Unidos.

Estados Unidos | setembro de 2015

Em uma visita histórica, Francisco falou de imigração, mudanças climáticas e pedofilia. Teve um encontro com vítimas de abusos cometidos por membros do clero e educadores.

Quênia, Uganda e República Centro-Africana | novembro de 2015

Em países marcados por guerras e conflitos religiosos, Francisco abriu a Porta Santa do Jubileu da Misericórdia na Catedral de Bangui, na República Centro-Africana, antes de abrir a Porta Santa da Basílica de São Pedro, no Vaticano.

Grécia | abril de 2016

Ao visitar a linha de frente da crise dos refugiados, Francisco levou consigo três famílias de refugiados sírios no avião de volta para Roma. “Vocês não estão sós”, disse o papa.

Armênia | junho de 2016

Em silêncio, Francisco rezou no Memorial do Genocídio armênio de Tzitzernakaberd. No livro de visitas, o papa escreveu: "Que Deus proteja a memória do povo armênio. A memória não deve ser suprimida nem esquecida. A memória é fonte de paz e de futuro".

Polônia | julho de 2016

Na Jornada Mundial da Juventude, Francisco incluiu termos da internet e das redes sociais no sermão. “Façam download de coração bom”.

Geórgia e Azerbaijão | setembro e outubro de 2016

Em uma região com minoria católica, Francisco pediu abertura aos ortodoxos e coexistência entre os povos e Estados da região.

Suécia | outubro e novembro de 2016

Francisco participa das celebrações pelos 500 anos da reforma protestante. “Começamos o caminho da reconciliação”, disse o papa.

Egito | abril de 2017

Em encontro com líderes muçulmanos, Francisco voltou a condenar a violência em nome de Deus. Em uma conferência, alertou contra a instrumentalização da religião por parte do poder.

Portugal | maio de 2017

Na celebração do centenário das aparições da Virgem Maria em Fátima, Francisco declara santas duas das crianças videntes.

Colômbia | setembro de 2017

Francisco viaja à Colômbia para encorajar o processo de paz que encerrou a guerra entre os governos e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

 
 
 
 
Linha do
tempo
  1. 1936

    1936

    Em uma quinta-feira, 17 de dezembro, nasce em Buenos Aires Jorge Mario Bergoglio. Filho de Mario Giuseppe Bergoglio e Regina Maria Sívori.

  2. 1955

    1955

    Jorge termina a escola secundária, onde se formou técnico em química.

  3. 1957

    1957

    Decide mudar de vida e ser padre. Perde parte do pulmão direito depois de uma pneumonia.

  4. 1958

    1958

    Entra no seminário da Companhia de Jesus – Jesuítas.

  5. 1960

    1960

    No Chile, estuda ciências clássicas, história, literatura, latim e grego.

  6. 1961

    1961

    De volta à Argentina, estuda filosofia no Colégio Máximo de San Miguel.

  7. 1966

    1966

    Dá aulas de literatura e estuda teologia.

  8. 1969

    1969

    É ordenado padre.

  9. 1973

    1973

    Ainda como padre jovem, é eleito provincial da Companhia de Jesus na Argentina. Exerceu o cargo por seis anos.

  10. 1979

    1979

    Assume como reitor das faculdades de filosofia e teologia de San Miguel.

  11. 1988

    1988

    É transferido para Córdoba, onde exerce as funções de diretor espiritual e confessor.

  12. 1992

    1992

    É nomeado bispo-auxiliar de Buenos Aires pelo papa João Paulo II. É ordenado na Catedral de Buenos Aires.

  13. 1998

    1998

    Com a morte do cardeal Antonio Quarracino, assume o cargo de arcebispo de Buenos Aires, a principal arquidiocese do país.

  14. 2001

    2001

    É nomeado cardeal por João Paulo II

  15. 2005

    2005

    Assume o cargo de presidente da Conferência Episcopal da Argentina.

  16. 2007

    2007

    Em Aparecida, no Brasil, durante a V Conferência Geral do Episcopado da América Latina e do Caribe, ocupa a função de presidente da Comissão de Redação do Documento de Aparecida.

  17. 2013

    2013

    Com a renúncia de Bento XVI, vai a Roma participar do conclave. Não volta mais para a Argentina. É eleito o 266º papa da Igreja Católica.

 
Experiências com
papa francisco

Nos conte a sua!

 
 
 
 
Copyright © Redes de Francisco. Todos os direitos reservados.